domingo, 17 de dezembro de 2017

Natal 2017







Dezembro de 2017



Dezembro está quase a findar e o Natal a chegar.

Mais um ano em que se vai festejar o nascimento de Cristo, Homem que nos deixou princípios e uma filosofia de vida, mas que no entanto, alguns não a entenderam e muito menos a aplicam e nem a vivenciam. Para muitos é apenas hipocrisia e leviandade.

São as compras de última hora, são os sacos cheios de ilusões. Porque no seu dia-a-dia, nem se lembram de quem está a seu lado.

Irá haver árvores enfeitadas rodeadas de presentes, para os grandes e mais pequenos, serão brinquedos ou telefones da última gama, muitas coisas das modas, sem qualquer valor sentimental, sem uma palavra de apreço. As mesas vão estar à pinha com muitas comidas e iguarias. Famílias que se vão juntar, que mal se vêem e visitam, sem conversas de conteúdo. Mas será Natal!

Natal que para muitos é nascimento, para outros é solidão, é a tristeza de não terem um pão, um conforto e um lar, nem terem um agasalho e carinho.

Feliz Natal 2017
Merry Cristmas
Joyeux Noel

Cidália Rodrigues

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O rio levava as águas



O rio levava as águas
Que corriam entre as margens
Eram as águas dos meus olhos
Lavadas pelas águas
Que no rio corriam

O rio levava as águas
Mansas, claras e brilhantes
assim eram as minhas águas
cristalinas e errantes
corriam como dantes


era o rio da saudade
que corria em claridade
além,
Eternidade

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Canção



Canção

Da palavra lavrada
Nasce a acção e a criação
Metamorfoseadas
As vogais e consoantes
Surge a composição
Na emoção – nasce a canção
No bater dos tempos
Ouve-se o ritmo
Entoado
Afinado
A canção para todos os tempos
A palavra lavrada
Nascida na insipidez do dia
Solta-se
Liberta-se
Pelo arrasto do vento
Todo o som se propaga
Ao coração das gentes



Cidália Rodrigues

Perfeito Lírio

Ontem pela manhã estava o lírio em botão,
Vinte a quatro horas depois,
O milagre de Luz,

Perfeito lírio, se abriu
Com gotículas de água da chuva.

A vida que ele produz
Como sinal da Cruz


Cidália Rodrigues


domingo, 3 de dezembro de 2017

Mãos de fada



De mãos de fada
A mãos de escrava
Mãos doridas e gretadas
Pelas obras realizadas
Mãos finas
Sedosas,
Estimadas
Sem marcas de calosidade
Mãos doces
As doridas que esgravatam
O pão de prata
Da dura vida
Que não é nada barata



Cidália Rodrigues