sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Quando o sol brilha



Quando o sol brilha
Toda da vida é alegria
Esquece-se a tristeza
Tudo é visto com firmeza
Tudo se torna formoso
E com ar airoso
A voz torna-se sonora
Até alegra quem chora
Quando o sol brilha
As crianças sorriem
O canto dos pássaros aviva
As ervas ficam viçosas
E activa o perfume de rosas 


Cidália Rodrigues

Letras soltas



Letras soltas, sem som
Do silêncio se libertam
Falam em todos os tons
Consoante a hora incerta
Soltas as letras se libertam
Que no silêncio saem da gaveta
Onde se encontravam empoeiradas
Por não serem formadas ou gravadas
Nas folhas douradas
Letras soltas, sem som
Que saem entrecortadas
Soletradas
Encantadas
Nas folhas douradas
Contadas e lidas
Nas corridas
Da garotada
Que salta e brinca às escondidas
E entre gracinhas já cansadas
Ecoam e eternizam as letras
Em palavras lavradas


Cidália Rodrigues

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O abraço


O abraço


Cada abraço que damos

Em que reforçamos

A alegria de viver

Tem doçura
Tem leveza
E até apaga a tristeza

Se é dado com firmeza

Apaga a dor da solidão

Que vai no coração

De quem o recebe

Quem concede esta graça 

A quem muito compadece

Enriquece a alma nobre

E até consola o pobre

Que não pode esmola

Apenas fortalece todo o amor

Que é fruto do bem feitor

O abraço
Que cai em qualquer regaço

É reforço e carinho
Que se dá no caminho

O abraço não tem preço
Tem todo o apreço 
Da gente que o merece
A que muitos esquece

Cidália Rodrigues

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A terra



Mexi na terra

Recebi a energia que vinha dela,

Deu-me vigor

Reparei que muita graça vem dela

A beleza das flores

A beleza das suas cores

Quando remexida

A terra impõe-nos alegria

É dela que vem a produção 

Que faz mexer o coração

Do coração vem a vivacidade

Lembrando o tempo da tenra idade 

A terra é criação

Que dá grande emoção

Quando se toca nela


Cidália Rodrigues


A vida tem




A vida tem sempre dias,
Uns comuns, outros não,
Nuns vivemos, noutros revivemos,
Noutros lemos
Noutros vemos passar
Sem nos aborrecermos
Mas são dias,
E os dias são semanas
Meses e anos
E deste modo a vida passa,
Deixa a marca,
Deixa o amargo,
Mas traz o doce
Que há no mel
Que há na flor
Mesmo que seja de papel


Cidália Rodrigues

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Um coração



Um coração sem grandeza
é um coração de pobreza
não tem luz, não tem amor
é um coração de dureza
um coração em alegria
vive em harmonia
sabe dar e receber
o pão nosso de cada dia 
e viver em melodia


Cidália Rodrigues

Nas aprendizagens


Nas aprendizagens da vida devemos retirar amor, para com ele reforçarmos 

as nossas forças e de quem encontramos pelas ruas onde caminhamos, e com 

quem diariamente partilhamos o dia a dia, só assim faz sentido a vida, o 

ódio não dá paz, a raiva retira todo o amor pelo qual nascemos. 

A vida por muito confusa que seja, dá-nos muito para colhermos e

retribuirmos, para isso nascemos...


Cidália Rodrigues